Em visita à Seccional, Global Legal Hackathon avalia evento que teve apoio institucional da OAB/SC

16/04/2018 - Geral

Capa Hackathon.JPG

O diretor-tesoureiro da OAB/SC, Rafael de Assis Horn, recebeu nesta segunda-feira (16) a advogada e representante do ‘Hackathon’, Dera Nevin. Acompanharam a visita a presidente e a secretária-geral da Comissão de Inclusão Digital da OAB/SC, Juliana Foggaça e Marly Elza Muller Ferreira; além da analista de marketing, Silvia Fiori.

O Hackathon foi uma iniciativa da Global Legal Blockchain Consortium e da North Texas Blockchain Alliance, com apoio da IBM e aconteceu em Florianópolis em fevereiro deste ano. Em versão mundial e ligada à área jurídica, o encontro de programação durou 54 horas e aconteceu simultaneamente em 43 cidades de 25 diferentes países, com o intuito de desenvolver softwares e aplicativos com soluções inovadoras para o meio jurídico.

A maratona de programação começou a ser planejada com meses de antecedência e teve apoio institucional da Seccional catarinense, que formou um grupo de trabalho envolvendo as Comissões de Inclusão Digital, OAB Jovem, Direito Digital, Direito em Startups e Direito do Trabalho. Uma consulta pública chegou a ser proposta para levantar as principais dificuldades enfrentadas no dia-a-dia da advocacia catarinense elencar quais seriam os pleitos a serem solucionados através de novas ferramentas tecnológicas.

Nesta segunda-feira (16) os envolvidos foram convidados a gravar entrevistas e puderam fazer suas avaliações sobre o evento. A advogada americana ainda fez uma visita pela sede da Seccional.

"Os avanços da ciência e tecnologia são uma realidade e cabe à OAB/SC preparar a advocacia para tal realidade, sob pena de o advogado ficar à margem do mercado”, disse Rafael Horn.

Já Juliana Foggaça deu seu depoimento como integrante da comissão julgadora. “Foi incrível ver o que se pode fazer em tão pouco tempo, com foco e objetivos bem definidos. Com a participação de todos os interessados, conseguimos ver ao final do processo, ideias transformadas em protótipos de produtos e aplicativos em pleno funcionamento. Percebo que estamos acostumados a analisar os grandes problemas e deixamos de identificar as soluções, que muitas vezes podem ser simples, porém grandiosas”, explicou.

Marly Muller, de mesma forma, foi mentora das equipes no Hackathon, auxiliando nos aspectos legais para a criação dos projetos. “Já havia participado de outra edição do Hackathon, mas não neste nível. Para mim, pessoalmente, foi muito valioso. Um momento de aprendizado intenso e que une as duas áreas pelas quais sou apaixonada”, falou ao referir-se às duas universidades que cursou: Ciências da Computação e Direito.

Dera Nevin agradeceu a participação da OAB/SC, uma das entidades que norteou os estudos para o desenvolvimento das novas ferramentas tecnológicas, e comunicou que a edição global realizada com a participação de Florianópolis foi uma das de maior sucesso já registradas na história do evento. Os vencedores devem apresentar seus projetos em Nova Iorque em 21 de abril.

“A inclusão tecnológica do advogado é meta desta gestão, havendo três comissões específicas para estudar temas afetos: Comissão de Direito Digital, de Inclusão Digital, e de Startups”, explicou Rafael Horn.

Assessoria de Comunicação da OAB/SC

  • IMG_9377.JPG

    Da esquerda para a direita: Marly Muller, Juliana Foggaça, Rafael Horn, Dera Nevin e Silvia Fiori

  • IMG_9394.JPG

    Juliana Foggaça em entrevista à Dera Nevin

  • IMG_9446.JPG

    Marly Muller grava entrevista para a equipe Hackathon

  • IMG_9451.JPG

    Rafael Horn em depoimento à equipe americana


Últimas notícias